• Por Liam Davenport - Medscape

Será que o sorriso da Mona Lisa é decorrente de hipotireoidismo?


A aparência incomum e enigmática da Mona Lisa pode ser explicada pela possibilidade da modelo ter sofrido de hipotireoidismo, sugerem dois especialistas que citam não apenas as evidências visíveis no famoso retrato de Leonardo da Vinci, mas também sua história natural e padrões alimentares na época.

Em uma carta publicada na edição de setembro da Mayo Clinic Proceedings, Dr. Mandeep R. Mehra, do Brigham and Women's Hospital e Harvard Medical School, Boston, Massachusetts, e Hilary R. Campbell, BA, da Universidade da Califórnia, Santa Barbara, dizem a Mona Lisa pode ter desenvolvido a condição após uma gravidez.

Na pintura, um retrato de Lisa Gherardini encomendado por seu marido Francesco del Giocondo logo após o nascimento de seu filho Andrea em 1502, ela mostra inúmeros sinais de hipotireoidismo, até mesmo para seu famoso sorriso inescrutável.

"Acreditamos que o enigma da Mona Lisa pode ser resolvido por um simples diagnóstico médico de uma doença relacionada ao hipotireoidismo que poderia ter sido o resultado de uma tireoidite periparto acentuada pelas condições de vida da Renascença", escreveram Mehra e Campbell.

"Em muitos aspectos, é o fascínio das imperfeições da doença que dão a esta obra-prima a sua misteriosa realidade e encanto", acrescentam.

Esta não é a primeira vez que o retrato altamente detalhado, mas misterioso, tem sido objeto de análise médica.

Em 2004, uma equipe de reumatologistas e endocrinologistas sugeriu que Gherardini tinha lesões de pele na pálpebra superior esquerda indicativas de xantelasma e o inchaço no dorso superior de sua mão direita indicava um lipoma subcutâneo.

Eles, portanto, concluíram que ela pode ter sofrido de hiperlipidemia familiar e aterosclerose prematura, o que poderia ter causado sua morte.

Além disso, esses autores postularam que o misterioso sorriso de Gherardini pode ter sido o resultado da paralisia de Bell.

No entanto, no exame atual da famosa pintura, Mehra e Campbell dizem que, mesmo se ela tivesse hiperlipidemia, parece não ter sido por causa de uma causa familiar ou genética, pois há uma falta de fatores indicativos.

Gherardini também é conhecido por ter vivido até os 63 anos de idade. "Teria sido incomum, se não impossível, vê-la avançar para essa idade na presença de aterosclerose prematura intratável a partir de uma hiperlipidemia geneticamente motivada", observam eles.

Em vez disso, Mehra e Campbell sugerem o diagnóstico "mais unificador" do hipotireoidismo clínico.

Eles apontam para a cor amarelada da pele de Gherardini, que pode resultar de conversão hepática prejudicada de caroteno em vitamina A, e que seu cabelo parece estar adelgaçado. "Uma completa falta de sobrancelhas apóia esse diagnóstico", acrescentam.

Mehra e Campbell também acreditam que, em uma inspeção mais próxima, o pescoço de Gherardini "insinua a presença de um alargamento difuso, como um bócio".

Eles apontam que pessoas com hipotireoidismo avançado frequentemente apresentam dislipidemia metabólica sistemática, o que poderia explicar a suposição, no artigo de 2004, de que ela sofria de uma forma de distúrbio lipídico.

"Nesta circunstância, se Lisa Gherardini estava realmente sofrendo de hipotireoidismo severo ou suas conseqüências, o misterioso sorriso pode em um nível ser representativo de algum retardo psicomotor e fraqueza muscular que leva a um sorriso menos do que plenamente florescido", dizem Mehra e Campbell.

Eles acrescentam que os padrões alimentares na Itália renascentista apóiam a teoria de que ela sofria de hipotireoidismo, já que as pessoas comiam principalmente uma dieta vegetariana de cereais, verduras e leguminosas.

Além disso, houve apenas 16 colheitas completas entre 1375 e 1791, o que significa que a dieta na região era frequentemente deficiente em iodo.

Não é surpreendente, portanto, que as representações de bócio sejam comuns nas pinturas da Renascença italiana e sejam a condição mais predominante na obra de arte bizantina.

E dado que Gherardini se sentou para o retrato logo após o parto, Mehra e Campbell sugerem que ela poderia, de fato, estar sofrendo de "uma apresentação subclínica de tireoidite periparto", levando eventualmente ao hipotireoidismo.

Eles observam, no entanto, que a perda de pelos faciais e corporais "pode ​​ser uma depilação intencional", e a descoloração amarelada pode ser devido ao envelhecimento dos pigmentos na tinta.

Finalmente, eles sugerem uma explicação alternativa: o sorriso enigmático pode ter sido invenção de Leonardo, resultante de sua experimentação com novas técnicas.


48 visualizações