• Dr. Ricardo Bizeli

Qual é o seu motivo para perder peso?


Hoje veremos os resultados da primeira pesquisa do nosso site, onde foi realizada a seguinte pergunta: "Qual é o seu principal motivo para perder peso?" Foram apresentadas cinco possibilidades de respostas: Saúde/Estética/Incômodo com as roupas/Sentir-se bem/Outros, e obtivemos ampla participação dos visitantes do site, que consideraram "Sentir-se bem" como o principal motivo para se buscar o emagrecimento, conforme observamos no gráfico abaixo:

Curiosamente, um dos motivos mais frequentes que levam ao sucesso do emagrecimento é justamente o "Outros", que não foi citado por ninguém! Nessa categoria, considero que "fugir da indicação de cirurgia bariátrica" seja o mais potente dos estímulos. Para discutir esses achados, segue um trecho do meu livro "Os mitos da obesidade", disponibilizado no formato de E-book em nosso aplicativo.

"A primeira vez que encarei a obesidade de forma profissional foi quando conheci um grande professor na Universidade Federal do Paraná, chamado Dr. Henrique. Logo nos primeiros dias da residência em Endocrinologia, muito me chamou a atenção a forma afável e acolhedora com que ele atendia cada paciente obeso. Na verdade, é o que se espera de um médico em relação a qualquer paciente, mas, como já discutimos, ainda há um longo caminho até que a sociedade reconheça a obesidade apenas como uma doença. Desde então, me interessei cada vez mais pela abordagem absolutamente técnica do problema, sem juízos de valor ou qualquer tipo de preconceito que desabonassem o complexo processo saúde-doença, transformando em um desafio excitante a tarefa de induzir cada paciente à perda de peso. Certa vez, o Dr. Henrique disse a seguinte frase: "o que importa é o motivo". Na hora, pensei: "Não pode ser tão simples assim! Toda pessoa tem seus motivos para emagrecer, e mesmo assim todos tem muita dificuldade!". Aquela frase ficou na minha cabeça, pois após vários anos de experiência, a opinião do Dr. Henrique deveria fazer sentido. Passei então a perguntar a cada paciente qual era o motivo que o levou a tentar perder peso. A primeira constatação: todas as pessoas demoravam para responder, o que indica que o motivo não estava tão óbvio na cabeça. Hoje entendo que é justamente essa indefinição, essa hesitação, que não consegue impedir o doente de furar a dieta quando testado. O paciente hesita, na minha opinião, pois define um motivo muito abstrato para perder peso. Por exemplo: uma das coisas que mais ouço é que " é pela saúde". Tente definir o que é saúde. Trata-se de um conceito tão vago que até se chegar a uma conclusão, já furamos a dieta. Se "saúde" fosse algo tão estimulante, parar de fumar seria mais fácil do que soletrar a palavra"dieta". Outra menção frequente é a estética. Sinceramente não considero a estética como um motivo menor para a perda de peso. Sentir-se bem com seu corpo é essencial para garantir a autoestima, que, por sua vez, é um dos fatores mais importantes para a saúde mental do indivíduo. Porém, como convencer o obeso que ele vai melhorar a sua estética ao emagrecer? Apesar de saber disso, a pessoa só consegue vislumbrar esse benefício DEPOIS de emagrecer. A impressão que os obesos têm é a seguinte: "estou me matando nessa dieta e ainda me sinto gordo". O ideal seria que, pelo menos por um minuto, o paciente pudesse ver qual seria o resultado final, o que é obviamente impossível. Devemos comentar também sobre o incômodo com as roupas como possível motivo para perder peso, Nesse caso, um simples ajuste na costureira é bem mais efetivo do que a dedicação à dieta. "Sentir-se bem" é também um motivo bastante relatado pelos candidatos à perda de peso. Por que não considero essa uma boa opção para estimular o paciente? É simples: há algo melhor para se sentir bem do que NÃO fazer dieta? Nada como entender da cabeça do obeso sendo um deles... Há situações bastante emblemáticas da importância do motivo na luta contra os quilos extras. Começando pelo meu caso: obviamente eu precisarei me manter sempre magro para que os pacientes acreditem em mim. Será que como anestesista eu teria o mesmo sucesso, escondido atrás da mesa de cirurgia controlando aparelhos, sem pacientes cobrando uma imagem esbelta? É muito comum, que uma festa importante como um casamento ou uma formatura seja o objetivo do emagrecimento. Nesse caso, devemos considerar até o tempo restante para o evento. Se o intervalo for maior do que três meses, dificilmente esse evento será um norte para o rigor necessário para a dieta. Uma vez, uma noiva perdeu cerca de vinte e oito quilos para o seu casamento. O detalhe é que ela começou a dieta APÓS a festa, de tão impressionada que ficou com as fotos do álbum. Creio que se ela perdesse todo esse peso antes do casamento, já teria recuperado boa parte dos quilos, pois o motivo do tratamento já haveria ficado para trás. Recentemente recebi um caso triste. Orientada pelo ginecologista a perder peso para melhorar a fertilidade, uma moça conseguiu perder cerca de quinze quilos. Quando recebeu a notícia de que ela era infértil por um problema no útero, disse que não via mais motivos para se manter magra. É bem provável que acabe recuperando o peso, infelizmente. Afinal, como a grande maioria das pessoas não apresenta um motivo concreto para perder peso, só nos resta criar um. Qual seria ele? Obter um resultado inicial rápido. Mas como conseguir isso? O segredo para se obter uma perda de peso imediata e animadora é simples. Como em qualquer doença, o tratamento deve ser feito TODOS OS DIAS, afinal, nosso corpo não sabe se hoje é terça-feira ou domingo. Por incrível que pareça, o denominador comum de todos os pacientes é apenas esse: ninguém acha que deve fazer a dieta no fim de semana, como se este fosse algo sagrado (cá entre nós, é mesmo). O problema é que o corpo, em estado de alerta com a diminuição da comida nos últimos dias, fica ávido para recuperar cada caloria que aparecer, e no excesso de apenas um dia, todo o esforço se esvai. É possível até fazer uma estimativa: um homem que cumpra a dieta nos moldes que oriento obtém uma perda de 1,5 a 2,0% do peso em uma semana. Porém, se em apenas um dos dias a dieta não é cumprida, o peso diminui apenas um quinto desse valor, ou seja, 0,3 a 0,4%. Em vez de perder 2 kgs, perde 400 g. Nada mais desanimador. Geralmente os nutricionistas e nutrólogos divergem em relação a esse aspecto. Como a linha de orientação dietética se baseia no índice glicêmico, buscando menores picos de insulina ao lançar mão de um maior teor de fibras e da restrição de carboidratos simples, tenho a opinião que acaba havendo uma mudança muito grande no padrão alimentar do indivíduo. Se por um lado esse maior contraste pode levar a uma perda de peso de curto prazo mais rápida, possibilitando até um dia livre (o famoso "dia do lixo"), no longo prazo torna-se praticamente impossível sustentar tantas modificações, além da dieta se tornar enjoativa e distante da realidade. A irritação causada pela falta de carboidratos leva a pessoa a nem cogitar a ideia de voltar a fazer a dieta quando se inicia o reganho de peso, tamanho é o sofrimento com tal privação.

Portanto, lembre-se: o primeiro passo para o sucesso é se perguntar o PORQUÊ de querermos emagrecer!"

#Peso #Obesidade

251 visualizações